12 de Maio – Dia Internacional do Enfermeiro – Diário do Diabetes
Dia a dia

12 de Maio – Dia Internacional do Enfermeiro

     Ao refletir acerca do momento que trouxe medo e angústia aos seres humanos e profissionais, é preciso relembrar a importância da Enfermeira durante os processos de epidemias e pandemias, assumindo eficientemente o manejo dos casos, junto ao técnicos, auxiliares de Enfermagem, bem como, equipe disciplinar.

A importância das Enfermeiras não baseia-se especificamente em relação a atuação dessas profissionais na linha de frente em combate ao novo coronavírus (SARS-COV2), ela, fundou-se por intermédio da pioneira de Enfermagem, Florence Nightingale, essa a qual tornou notória a indispensabilidade da lavagem das mãos, como sendo uma prática viável e efetiva para a redução das infecções, isso consolidou-se através de sua experiência durante a Guerra da Crimeia, onde se dispôs a cuidar dos militares feridos e analisou que a causa da mortalidade deles sobretudo estavam relacionada a processos infeciosos, impedindo-os de serem recuperados e reabilitados, ocasionando o óbito. Isso demonstra que, embora a relevância dessas profissionais de saúde tenha repercutido positivamente apenas dentro do contexto da pandemia pela covid-19, elas sempre foram fundamentais para o processo de epidemias e pandemias, ao realizar a elaboração de estratégias de prevenção e controle de enfermidades, através de aprimoramento técnico-científico, estudo permanente na área escolhida, contribuindo cada vez mais pela sua inserção e destaque no mercado de trabalho.

   As epidemias e pandemias tornam obrigatório o remanejo da assistência ofertada aos clientes, onde exigem organização, maior flexibilidade e empatia para lidar com as demandas contínuas, lembrando que, são as Enfermeiras que são as responsáveis por prescrever os cuidados de Enfermagem de forma individualizada, mediante avaliação criteriosa, baseada nos preceitos que regem a profissão de Enfermagem, dispostos no CEPE (Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem) e na SAE (Sistematização da Assistência de Enfermagem). E, por serem as profissionais que estão em maior contato com os pacientes, o equivalente a 24h, estarem em frente ao gerenciamento de unidades dos serviços de saúde, o estabelecimento de vínculo e fortalecimento da importância de suas práticas pautadas em evidências, levando em consideração a dignidade, privacidade e segurança do indivíduo, impulsiona a autonomia e autoestima profissional dessas funcionárias, contribuindo tanto com maiores quanto com melhores resultados para atender os casos de alta complexidade, oriundos de condições de saúde desencadeadas por um processo de epidemia ou pandemia, sendo indispensável dentro da equipe multidisciplinar, para que a assistência seja satisfatória e não coloque em risco o cliente, a família e/ou a comunidade.

  Além disso, a análise epidemiológica das epidemias e pandemias anteriores, quais foram as abordagens de Enfermagem desempenhadas por Enfermeiras e os resultados obtidos por meio do que foi implementado, desde a compreensão da história natural da condição crônica até o seu prognóstico, são vertentes que auxiliam e são capazes de nortear um planejamento estratégico qualificado e sistematizado, para o enfrentamento e resolução da epidemia ou pandemia em questão.

REFERÊNCIAS:

  1. Pandemias na História: o que há de semelhante e de novo na covid-19, 2020. Disponível: https://www.sanarmed.com/pandemias-na-historia-comparando-com-a-covid-19. Acesso em: 11 de maio. de 2022.

    2. Ana Beatriz Costa. A Enfermagem sempre foi protagonista no combate a pandemias e doenças, 2020. Disponível em: https://www.pucpr.br/noticias/destaque/a-enfermagem-sempre-foi-protagonista-no-combate-a-pandemias-e-grandes-doencas/

Deixar um Comentário