ESPECIAL: DIABETES NA TERCEIRA IDADE – Diário do Diabetes
Dia a dia

ESPECIAL: DIABETES NA TERCEIRA IDADE

A sua idade desempenha um grande papel no tipo de diabetes com o qual você foi diagnosticado devido à forma como seu corpo lida com a insulina ao longo da vida. Enquanto o tipo 1 é mais frequentemente desenvolvido em uma idade mais jovem, o tipo 2 é mais comumente diagnosticado em pessoas de meia-idade e mais velhas. Isso se deve aos hábitos alimentares e de estilo de vida ao longo da vida que contribuem para o desenvolvimento do diabetes. Portanto, sim, os idosos correm um risco maior de desenvolver diabetes.

Simplificando, os idosos foram expostos ao açúcar por mais tempo do que outras gerações de pessoas, portanto, suas chances de desenvolver hiperglicemia – níveis de glicose no sangue “anormalmente altos” – e, em última análise, diabetes tipo 2 são maiores. Idosos de diferentes raças também são mais propensos a desenvolver diabetes do que outros.

Conforme dados da International Diabetes Federation (IDF), o Brasil é a quarta nação do mundo em número de pessoas com diabetes – 13 milhões de pacientes. Destes, grande parte já está na terceira idade, faixa que pede cuidados especiais no manejo da doença, a fim de atingir as metas de controle metabólico e preservação arterial e de massa corporal.

Envelhecer pode ser considerado um processo difícil para algumas pessoas, enquanto outras reagem com mais naturalidade. O que se deve ter em mente é que com o passar do tempo, o nosso corpo não tem mais a mesma agilidade e energia de antes, e o que conta são os bons momentos vividos até então. O ideal é envelhecer da forma mais natural possível. Infelizmente, o diabetes é uma doença considerada comum entre os idosos, já que muitas vezes, o seu aparecimento é resultado da soma de maus hábitos ao longo da vida. Dito isso, o Diário do Diabetes apresenta uma sequência de matérias para auxiliar os idosos no tratamento do diabetes. Nunca é tarde pra começar!

     7 DICAS DE CUIDADOS COM O DIABETES NA TERCEIRA IDADE

Separamos para você algumas sugestões de hábitos a serem adotados no dia-a-dia para prevenir o aparecimento de outras doenças e as complicações do diabetes.

01 – Durma bem

Uma noite mal dormida pode interferir no controle metabólico do corpo, ou seja, na produção de hormônios como a insulina. Assim, é importante garantir que o idoso mantenha um bom sono regularmente.  Seguem algumas dicas para ajudar no bom sono: travesseiro e colchão confortáveis; temperatura do quarto adequada; não ingerir alimentos pesados ou gordurosos à noite; evitar assistir noticiários e filmes violentos para não gerar estresse negativo.

02 – Mantenha-se relaxado

O estresse influencia negativamente na produção de hormônios, podendo interferir no tratamento do diabetes. Assim, o idoso pode se manter relaxado ouvindo música calma e manter-se em ambientes mais tranquilos.

03 – Mantenha-se hidratado

Essa é a melhor maneira de evitar problemas renais, ansiedade e condições de desidratação e infecção urinária, muito comuns nesta fase da vida. O aparecimento desses fatores pode levar ao descontrole do diabetes.

04 – Evite bebidas alcoólicas e não fume

Esses hábitos são agravantes dos quadros diabéticos.

05 – Controle a alimentação

Alimentação equilibrada auxilia no controle da glicemia. Dê preferência a alimentos antioxidantes, integrais ricos em fibras, legumes e verduras crus e mais frutas (limão, jabuticaba, maracujá, ameixa, damasco fresco, melão, goiaba, maçã, kiwi). Coma menos alimentos ricos em açúcar, menos carne vermelha e mais peixe, ovos caipiras e feijões, entre outros.

06 – Diga não a gorduras

Evite ao máximo o consumo de frituras e gorduras trans como margarina, sorvetes e produtos com gordura hidrogenada.

07 – Faça exercícios físicos e mantenha um peso saudável

Com o passar dos anos, é normal o nosso corpo perder a elasticidade. Assim, é importante manter o corpo em movimento, fazendo exercícios e alongamentos, de modo a auxiliar na manutenção do peso ideal e do diabetes tipo 2.

Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes, NIA, Saúde e Vida Longa 

Deixar um Comentário