Meu filho tem diabetes. E agora? | Diário do Diabetes
Diabetes

Meu filho tem diabetes. E agora?

A criança não torna-se diabética porque comia muito açúcar, vocês – pai ou mãe – não são responsáveis por essa condição.

“Meu filho tem diabetes. E agora, como será nossa rotina?!”  Essa deve ser uma pergunta comum para pais que recebem o diagnóstico de diabetes em seus filhos.
O post de hoje mostrará alguns caminhos para que essa notícia não seja um grande problema.

DIABETE TIPO 1

O tipo de diabetes mais comum em crianças é o tipo 1. O diabetes tipo 1 é considerado uma doença autoimune, pois o organismo estimula o sistema imunológico a destruir suas próprias células do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina, hormônio responsável por metabolizar os açúcares. Sem insulina, a glicose, fonte de energia para as atividades do organismo, não entra nas células e se acumula na corrente sanguínea, causando hiperglicemia (Glicemia elevada). Há indícios de que a influência de fatores ambientais, como infecções virais e predisposição genética, favoreçam o desenvolvimento do DM1.  A criança não torna-se diabética porque comia muito açúcar, vocês – pai ou mãe – não são responsáveis por essa condição.  Os portadores de diabetes tipo 1 precisam de injeções de insulina com frequência pois é ela quem irá fazer o corpo conseguir absorver a glicose contida nos alimentos

APLICAÇÃO DE INSULINA

A auto aplicação de insulina é uma prática recomendada e começa a ser introduzida aos poucos, de acordo com a orientação do médico. Porém, desde o início do tratamento é importante conscientizar a criança do porquê dessas “injeções” todos os dias, de como deve ser o cuidado do armazenamento da insulina e das agulhas, quais os locais possíveis de aplicação, a importância da regularidade das doses entre outros cuidados que você descobrirá ao longo do processo de conhecimento e informação sobre a vida do diabético.

Separamos dois vídeos que podem te ajudar a explicar para seu filho de forma lúdica como o corpo com diabetes funciona:

– Diabetes tipo 1: Manual para crianças

–  Universidade das Crianças. De onde vem a diabetes:

Além do ‘cargo’ de pais,  os pais de crianças portadoras de diabetes precisarão tornar-se verdadeiros experts no assunto e também exercerem a função de professores de seus filhos nessa matéria. Com o tempo irão perceber que há sim dificuldades, mas que todas são possíveis de serem superadas e, principalmente, que é possível viver uma vida saudável e plena.

 

ADAPTAÇÃO NO ESTILO DE VIDA

Será necessário que a vida da família passe por uma adaptação de estilo de vida. O que pode ser benéfico para todos. Levar uma vida mais saudável faz parte da rotina do diabético tipo 1 e previne o diabetes tipo 2, que desencadeia geralmente em adultos sedentários com maus hábitos de alimentação.

Se a praticidade na compra de produtos industrializados fazia parte do dia a dia da sua casa, vocês terão que “reaprender” a comer. A criança diabética não precisa deixar de comer alimentos que não fazem parte da dieta equilibrada que devem seguir, porém, não se deve exagerar na porção. É necessário medir a glicemia e fazer sempre a contagem de carboidratos e ou a medição de índice glicêmico para que não haja desequilíbrios e possibilidade de hiper ou hipoglicemias (queda de açúcar no sangue).

A alimentação equilibrada com rotina de alimentação mais frequente de 3 em 3 horas deve fazer parte do dia a dia da criança e também de quem deseja uma alimentação saudável. Uma dieta rica em alimentos integrais, frutas, verduras e legumes é essencial pois equilibra os hormônios, melhora o humor, aumenta a energia. Os alimentos ricos em fibras são importantes pois retardam a absorção da glicose, tornam os carboidratos mais efetivos e o corpo aproveita melhor, além de minimizar o efeito de sobrecarga para o pâncreas na produção da insulina.

Ademais da alimentação saudável, a prática de atividades físicas deve estar presente na vida do portador do diabetes.

ACEITAÇÃO E VIDA NORMAL

O diabetes pode trazer um sentimento de medo ou problemas emocionais. Como pais, vocês terão que ter paciência para explicar sobre os detalhes do diabetes para a criança e para as pessoas que estão em contato com ela. Vocês precisarão de paciência também para lidar com as opiniões das pessoas de fora que sabem apenas o superficial sobre essa condição. Lembrem-se de que seguir a orientação médica é o mais importante, mesmo que nossos amigos e parentes também só desejem o bem de nossos filhos. Não impeça seu filho de ter uma vida normal. É importante orientá-lo desde cedo sobre todos os detalhes para que ele seja capaz de ser ativo como qualquer outra criança mas tenha responsabilidade nos cuidados necessários com a alimentação, medição da glicose e aplicações de insulina.

Lembre-se sempre de alertar também ao pessoal da escola que deve estar a par da condição de portador de diabetes e aptos a auxiliá-lo no que for preciso.

 

Gostou do post? Compartilhe com seus amigos e familiares nas redes sociais!

Deixar um Comentário