Por que devemos avaliar os pés dos indivíduos que têm Diabetes? – Diário do Diabetes
Diabetes

Por que devemos avaliar os pés dos indivíduos que têm Diabetes?

Fonte: https://vitat.com.br/pe-diabetico/

   Em relação as complicações crônicas do Diabetes Mellitus, encontram-se: lesão e amputação de extremidades, resultantes da úlcera do pé, esse o qual se trata da presença de uma infecção, lesão e/ou destruição dos tecidos profundos, correlacionados as anormalidades neurológicas e a distintos graus de doença vascular periférica em pessoas com DM.

  Quantitativamente, indivíduos com DM, apresentam maior susceptibilidade ao desenvolvimento anual de úlceras nos pés, caracterizando 2% e 25% a chance de desenvolvê-las ao longo da vida. Enquanto 20% das internações hospitalares estão intimamente relacionadas às úlceras nos membros inferiores. Sendo que, as complicações da infecção no pé são a causa de 40 a 70% das amputações não traumáticas de um modo expressivo na população em geral, além disso, 85% das amputações realizadas em pacientes que vivem com DM, são originadas de úlceras nos pés, tendo como fatores de risco: neuropatia periférica, deformidades dos pés, bem como, traumatismos.

 É importante lembrar que, inúmeros casos de amputações de membro inferiores de pessoas com DM é de condição evitável, abrangendo a necessidade de uma educação em saúde voltada aos pacientes, incentivando o autocuidado diário com os pés, a fim de reduzir riscos de lesões. Assim como, torna-se indispensável a realização de exame periódico dos pés de pacientes em condição crônica de saúde relacionada ao DM.

Dentre os sinais e sintomas de infecção no pé, deve-se avaliar:

  • Temperatura dos pés;
  • Coloração dos pés;
  • Aspecto da pele dos pés;
  • Deformidade dos pés;
  • Sensibilidade;
  • Presença de calos;
  • Edema (inchaço);
  • Pulsos pediais (ausentes ou diminuídos);
  • Localização da lesão.

  Diante disso, faz-se necessário o conhecimento dos sinais e sintomas de úlcera nos pés por parte do paciente, para que possa referir ao profissional de saúde responsável pelo atendimento, quais sintomas estão presentes, já que, esses devem ser relatados pelo paciente, em uma comunicação qualificada, com estabelecimento de vínculo de confiança entre cliente-profissional, enquanto os sinais são notórios durante o exame físico dos pés, sendo possíveis de serem identificados pelo avaliador.

REFERÊNCIA:

  1. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do pé diabético: estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 62 p.: il.

Deixar um Comentário